terça-feira, 16 de novembro de 2010

Trançados

As tranças deixaram de ser tendência para fazer de vez nossas cabeças!

Mais que um simples penteado as tranças servem de acessorios e podem transformar um look sem graça. Não precisa ter cabelão à rapunzel para aderir aos trançados, eu mesma que estou com cabelos curtos uso e abuso desse recurso(vide foto do perfil). Mas claro que as possibilidades se tornam infinitas em madeixas maiores:

na festa ou na praia

Sem muitas regras a trança pode começar de um lado e terminar no outro, pode ser na franja, ou podem ser várias ao mesmo tempo.



Tá se perguntando como se faz essas tranças que começam junto da raiz, também conhecida como embutida ou francesa ?
A dica é começar a trança bem próximo da raiz com três mechas.Depois do primeiro trançado, quando trouxer a próxima mecha pro meio das outras duas: agregue a ela uma quarta mecha que voce vai buscar no cabelo solto. A partir daí cada mecha que vai sendo trazida ao meio vai ganhando mais outra mecha e etc...
Difícil de captar? Achei esse video que da pra sacar o que eu to falando:





Como tudo na vida é treino, claro que é preciso ser paciente, ir malhando os bracinho, e não desanimar que voce pode se surpreender com as tranças que voce vai criar! E quando rolar um bad hair day é só seguir o trançado!

Para que as mechas da trança não deslize conte com ajuda de um pouco de pomada/cera
na ponta dos dedos. Finalize com um spray fixador, isso vai fazer com que sua trança dure mais tempo.

Se trance e descabele-se!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

(Des)Cabeleireira

 Não pensava em ser cabeleireira!

Sempre fui ligada a cabelos: aos 5 cortei o cabelo joãozinho, chanel aos 8. Na adolescencia aderi as infinitas possibilidade de cor e de cortes mais ousados. Pelas ruas ia observando as madeixas alheias e imaginando como as descabelararia .A influencia da família também era forte: cresci em meio a tesouras, esmaltes e barulho de secador. Minha mãe atendendo a vizinhança em casa e minhas tias em Minas donas de um salão de beleza.Mas ainda assim não me enxergava neste oficio.

Só mesmo quando comecei a trabalhar como maquiadora, até então pra mim  uma forma de ganhar algum trocado enquanto o teatro não rolava,  foi que me vi diante do desafio de ser uma cabeleireira.
Mas o ponto crucial foi uma "cagada" que fizeram com minha madeixas (quem nunca passou por uma dessas?)... Queria um corte moderno e ousado, mas que fosse prático, ou seja, que só me desse o trabalho de lavar e ponto! Mas o santo do cabeleireiro ao finalizar me disse q era só secar com secador!!!!!!!!!!!!!!!!! ficou horrível! Tentei concertar a m... em outro cabeleireiro, mas não deu certo e decide fazer justiça com as minhas próprias mãos. Desde 2005 venho me descabelando, como se meu cabelo fosse uma obra em progresso constante: já que eles não param de crescer sigo intervindo.

Minha amiga Bea foi a primeira "cobaia", um dia cortando meus cabelos ela me pediu para que cortasse os dela, detalhe que eu nem tinha tesouras de cabelo, sabe aquela grande, pra cortar tecido?! essa mesma me servia como instrumento. A Bea adorou o cabelo, continuou minha amiga e de corajosa cobaia se tornou minha primeira cliente.A partir de então foi crescendo em mim a vontade de me aprofundar neste universo . Entrei no curso do Senac apenas pra fazer  o módulo de corte. Fui me apaixonando, conclui todos os módulos e não parei de "respirar" cabelos.

Descabelar as pessoas passou a ser minha arte, uma vocação familiar e  uma  inevitável e assumida
paixão!